Pensamento Pedagógico Brasileiro (I)



“A teoria educacional não cria a realidade nem modela a prática pedagógica. A teoria consolida a prática e pode orientá-la. Teoria e prática renovam-se na medida em que se relacionam. A teoria tem alguma função justamente porque tem condições de se realizar na prática. A teoria educacional não é alguma coisa estática e definitiva. Príncípios, leis e diretrizes em educação não se cristalizam. Evoluem com a própria sociedade. O pensamento pedagógico, por isso, é dinâmico, reformulado permanentemente pela vivência. A teoria não perde importância com isso. Ela é menos relevante quando quer dar respostas definitivas aos ‘problemas educacionais’ e muito mais interessante quando indica caminhos, sem receitar, sem querer modelar. Seu fim é sobretudo manter vivo o sonho do educador.” (GADOTTI, M. 2008, p.11)

Na onda dos concursos, estou lendo “Pensamento Pedagógico Brasileiro”, livro da década de 1980, do professor Moacir Gadotti. Ainda estou digerindo as primeiras páginas da introdução. Parece-me que é uma obra bastante requisitada, pois estou na 3a reimpressão da 8a edição. E já posso imaginar o motivo: trata-se de uma síntese das teorias educacionais brasileiras e possui uma rica bibliografia – excelente para qualquer estudante ou pesquisador que esteja afim de começar e aprofundar suas leituras sobre o tema.

O assunto está na minhas prioridades de investigação. O fazer pedagógico tem me suscitado muita dúvidas e porque não dizer temores. Durante a graduação e as aulas da licenciatura a gente não se dá conta da importância que tem as teorias. Hoje, sinto falta de dialogar com educadores que contribuam para orientar minha prática. E tenho certeza de que não sou a única neste barco. O que mais tenho são colegas cansados, saudosistas de uma época em que se valorizava o professor e seus conteúdos, que não lidam bem com as novas tecnologias e estão reticentes com as muitas mudanças que estão ocorrendo na estrutura de ensino no município do RJ e, principalmente, na sociedade do século XXI.

Com meu pouco tempo de professora, já sei o que não quero ser e onde não quero estar. Talvez, seja a força criativa da juventude que me impulsione a perguntar, criticar, desejar experimentar, desejar aprender. Sei, com toda certeza, que não posso me conformar ao salário que ganho ou ao descanso da estabilidade de funcionária pública municipal. Lido com seres humanos, detentores de tantos direitos quanto eu, mas que são menos respeitados do que somos minha família e eu. É preciso acreditar e desejar transformar. Para tanto, ainda preciso me tornar o elemento de mudança que desejo ver. Acho que estou no caminho certo, estou voltando a sonhar e a estudar. Em breve, termino minha resenha. Ainda não decidi se a publico aqui.

Release: Veja Editora Ática
Moacir Gadotti elabora aqui um roteiro básico sobre as várias sistematizações teóricas existentes que tecem o pensamento pedagógico no Brasil. Nessa síntese, enfoca o papel do educador, da escola, da formação e do saber em nossa realidade, questionando os valores, objetivos e ideologias que permeiam o ato de educar e o que se entende por democratização da educação. Essas questões estão intimamente relacionadas a temas como a educação como ato político (ou “a pedagogia do oprimido”); a educação da classe; a educação popular; a educação do sistema; a paixão de conhecer o mundo; a “pedagogia dos conteúdos”; a educação e o poder; entre muitos outros, que o autor desenvolve no contexto educacional brasileiro de maneira clara e objetiva.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s